Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora

Rua Baronesa Geraldo de Resende, 330, - Campinas, SP

(19) 3241-9713 | 3242-0899    (19) 99132-4922

contato@auxiliadoracampinas.org.br

Secretaria
Sem categoria › 26/11/2015

Viagem à África toca temas fortes do pontificado, diz padre Spadaro

PXfLhvP-Antes de partir para acompanhar o Papa Francisco em sua 11ª viagem apostólica, o diretor da Revista Civilta Cattolica, padre Antonio Spadaro (foto), concedeu uma entrevista à emissora italiana RAI. De acordo com Spadaro, o Papa Francisco quis estar com a população para levar reconciliação, já que acontece uma guerra civil na República Centro-Africana. Em uma mensagem enviada antes da viagem, o Santo Padre fala de paz, reconciliação e fraternidade.

Uma das preocupações dessa viagem é com a segurança do Papa, mas apesar dos riscos, o próprio Pontífice se sente seguro. No voo de ida para a África, ele conversou brevemente com jornalistas; um dos membros da imprensa perguntou sobre o medo de terrorismo e o Papa respondeu: “Estou mais preocupado com os mosquitos”.

O Pontífice quis visitar o país para levar solidariedade à população. De acordo com padre Spadaro, o arcebispo de Bangui, Dom Dieudonné Nzapalainga, é muito amigo do líder muçulmano local. “A mesquita foi destruída por milícias que se dizem cristãs e a comunidade católica ajudou a reconstruí-la”, relatou.

Porta Santa antecipada

Uma das novidades nessa viagem foi a antecipação da abertura do Ano Santo da Misericórdia. Oficialmente, o Jubileu começa em 8 de dezembro, mas na África a abertura está marcada para 29 de novembro na catedral de Bangui, capital da República Centro-Africana. “Abrir pela primeira vez a porta na República Centro-Africana tem um significado simbólico muito poderoso e representa a surpresa própria do Papa Francisco”, diz Spadaro.

Uganda e Quênia

Entre os compromissos em Uganda e Quênia, a expectativa é para o encontro com a juventude. “A África é um continente jovem. É a juventude que pode construir uma unidade social que vá além das diferenças”, recorda Spadaro.

Apesar dos aspectos desafiadores, o sacerdote jesuíta recorda os sinais de esperança. “Os mártires ugandeses canonizados há 50 anos por Paulo VI são recordados por católicos e anglicanos”, destaca, referindo-se ao apelo de unidade da primeira viagem do Papa Francisco à África.

A população do Quênia é marcada por sofrimentos causados por ataques violentos. Em 2013, mais de 400 pessoas morreram em atentados. Um ataque contra o shopping Westgate de Nairóbi deixou 67 mortos. Em abril de 2015, 148 pessoas foram assassinadas na Universidade de Garissa.

Por Canção Nova