Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora

Rua Baronesa Geraldo de Resende, 330, - Campinas, SP

(19) 3241-9713 | 3242-0899    (19) 99132-4922

contato@auxiliadoracampinas.org.br

Secretaria

Domingo da Divina Misericórdia – 2º Domingo da Páscoa

 

  • 1ª Leitura – (At 4,32-35)
  • Salmo – Salmo 117
  • 2ª Leitura – (1Jo 5,1-6)
  • Evangelho – (Jo 20,19-31)

prop

 

Iniciamos, neste fim de semana, nosso encontro dominical com Deus durante o Tempo Pascal. Passada a Páscoa do Senhor (Vigília Pascal e Domingo de Páscoa), meditamos sobre as aparições de Jesus Cristo Ressuscitado diante de seus apóstolos temerosos com a perseguição ao que, até então, havia restado dos seguidores de Jesus e de sua doutrina.

Este Evangelho também é narrado durante a semana, na qual ainda nos encontramos, denominada, Oitavas da Páscoa. O primeiro aspecto deste Evangelho é a dimensão da fé. São Tomé é tido como incrédulo por não acreditar na Ressurreição de Jesus. A misericórdia de Deus está presente nos momentos em que nos deixamos abater e nossa fé se esvai rapidamente. Deus está sempre pronto a nos receber de volta, mesmo com nosso fraquejamento. A liturgia da palavra também nos fornece um corolário ainda mais forte, sobre a Ressurreição: o início do ministério da Igreja, cujas bases são exibidas na 1ª leitura, dos Atos dos Apóstolos e cujo centro é Jesus Cristo, como explícito na 2ª Leitura.

Sentimos o começo da transição que ocorreu do ministério de Jesus ao ministério da Igreja. Após sua morte, embora tenha ressuscitado, Jesus não permaneceu com eles, do mesmo modo que fazia anteriormente. Agora, Jesus inicia a transferência de sua liderança àqueles homens que conviveram com ele por muito tempo.

A grande “virada” para a Igreja de Cristo será no momento do Pentecostes, quando todos serão inflamados pelo Espírito Santo e tomarão seus respectivos ministérios com fervor, substituindo a necessidade da presença física de Jesus, como anteriormente, pela exposição dos fatos: Jesus Ressuscitou.

As missas do 2º Domingo da Páscoa serão celebradas no dia 11/04, às 17:00 e no dia 12/04, às 7:00 , 8:30 , 10:30 e 19:00, na Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora.

——————————————————————————————————————————————

TEMPO PASCAL

O Tempo Pascal tem início com a Vigília Pascal e se encerra com a Solenidade de Pentecostes. O dia da Páscoa, em si, é composto pela Vigília Pascal e pelo Domingo de Páscoa, igual ao que ocorre no Natal, em que temos a Missa da Noite e a Missa do Dia.

A data de início do Tempo Pascal é sempre móvel, pois a Vigília Pascal tem sua data colocada no primeiro sábado de lua cheia, após o equinócio de Outono (passagem do Verão para o Outono), no hemisfério sul. Desta data decorrem todas as outras do Ciclo da Páscoa (Quarta-feira de Cinzas , Quinta-feira Santa, Sexta-feira Santa, Ascensão e Pentecostes). Este tempo possui 53 dias, contados, incluindo, o sábado da Vigília Pascal e o domingo de Pentecostes. Este número de dias é constante, todos os anos.

Este tempo é composto por:

* PÁSCOA DO SENHOR (Vigília Pascal e Dia da Páscoa) – início do Tempo Pascal

* Domingos da Páscoa (2º,3º,4º,5º e 6º Domingos após a Páscoa)

* ASCENSÃO do Senhor (domingo após o 6º Domingo da Páscoa)

*PENTECOSTES (domingo após a Ascensão) – término do Tempo Pascal

* Oitavas da Páscoa (missas que ocorrem nos dias entre a Páscoa e o 2º Domingo da Páscoa (inclusive))

* Férias da Páscoa (missas que ocorrem após o 2º Domingo da Páscoa e Pentecostes, excluindo-se os domingos e solenidades)

A Vigília Pascal possui o maior grau litúrgico de todo o calendário, precedendo, inclusive, a Noite de Natal. As solenidades da Ascensão e de Pentecostes possuem precedência sobre qualquer ocasião, exceto: Vigília Pascal, Natal do Senhor, Ceia do Senhor, Paixão do Senhor e Epifania do Senhor. Os domingos da Páscoa possuem equivalência com os domingos da Quaresma e os domingos do Advento, superando os domingos do Tempo Comum, as festas e as solenidades do calendário litúrgico, exceto: Vigília Pascal, Natal do Senhor, Ceia do Senhor, Paixão do Senhor, Epifania do Senhor, Ascensão do Senhor e Pentecostes. As Oitavas da Páscoa são dias festivos e as Férias da Páscoa são de grau comum.

Durante todo este tempo, a cor litúrgica é o branco, com sua variante dourada (Páscoa do Senhor). Exceto nas festas e memórias dos mártires, as quais podem ocorrer durante as férias da Páscoa e na Solenidade de Pentecostes, em que a cor litúrgica é o vermelho.

Neste período, canta-se o Aleluia normalmente, com especial solenidade na Vigília Pascal. O Hino de Louvor deve ser cantado sempre, exceto nas Férias da Páscoa e Memórias dos Santos. O prefácio eucarístico da Páscoa é utilizado, quando não houver prefácio próprio para os domingos e solenidades. Em festas e memórias dos santos, é permitido utilizar o prefácio específico ou o prefácio pascal.

Neste ano, o Tempo da Páscoa inicia-se na noite do dia 04/04 (Vigília Pascal) e termina no dia 24/05 (Pentecostes).

——————————————————————————————————————————————

  • 1ª Leitura – (At 4,32-35)
  • Salmo – Salmo 117
  • 2ª Leitura – (1Jo 5,1-6)
  • Evangelho – (Jo 20,19-31)

 

1ª Leitura

32A multidão dos fiéis era um só coração e uma só alma. Ninguém considerava como próprias as coisas que possuía, mas tudo entre eles era posto em comum.

33Com grandes sinais de poder, os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus. E os fiéis eram estimados por todos.

34Entre eles ninguém passava necessidade, pois aqueles que possuíam terras ou casas vendiam-nas, levavam o dinheiro, 35e o colocavam aos pés dos apóstolos. Depois, era distribuído conforme a necessidade de cada um.

Salmo

— Aleluia, aleluia, aleluia.

 — A casa de Israel agora o diga:/ “Eterna é a sua misericórdia!”/ A casa de Aarão agora o diga:/ “Eterna é a sua misericórdia!”/ Os que temem o Senhor agora o digam:/ “Eterna é a sua misericórdia!”

— A mão direita do Senhor fez maravilhas,/ a mão direita do Senhor me levantou,/ a mão direita do Senhor fez maravilhas!

— Não morrerei, mas, ao contrário, viverei/ para cantar as grandes obras do Senhor!/ O Senhor severamente me provou,/ mas não me abandonou às mãos da morte.

— A pedra que os pedreiros rejeitaram / tornou-se agora a pedra angular./ Pelo Senhor é que foi feito tudo isso:/ que maravilhas ele fez a nossos olhos!/ Este é o dia que o Senhor fez para nós,/ alegremo-nos e nele exultemos!

2ª Leitura

Caríssimos: 1Todo o que crê que Jesus é o Cristo, nasceu de Deus, e quem ama aquele que gerou alguém, amará também aquele que dele nasceu.

2Podemos saber que amamos os filhos de Deus, quando amamos a Deus e guardamos os seus mandamentos.3Pois isto é amar a Deus: observar os seus mandamentos. E os seus mandamentos não são pesados, 4pois todo o que nasceu de Deus vence o mundo. E esta é a vitória que venceu o mundo: a nossa fé.

5Quem é o vencedor do mundo, senão aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus? 6Este é o que veio pela água e pelo sangue: Jesus Cristo. (Não veio somente com a água, mas com a água e o sangue.) E o Espírito é que dá testemunho, porque o Espírito é a Verdade.

Evangelho

19Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas, por medo dos judeus, as portas do lugar onde os discípulos se encontravam, Jesus entrou e, pondo-se no meio deles, disse: “A paz esteja convosco”.

20Depois dessas palavras, mostrou-lhes as mãos e o lado. Então os discípulos se alegraram por verem o Senhor.

21Novamente, Jesus disse: “A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou, também eu vos envio”.

22E, depois de ter dito isso, soprou sobre eles e disse: “Recebei o Espírito Santo. 23A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados; a quem os não perdoardes, eles lhes serão retidos”.

24Tomé, chamado Dídimo, que era um dos doze, não estava com eles quando Jesus veio. 25Os outros discípulos contaram-lhe depois: “Vimos o Senhor!” Mas Tomé disse-lhes: “Se eu não vir a marca dos pregos em suas mãos, se eu não puser o dedo nas marcas dos pregos e não puser a mão no seu lado, não acreditarei”.

26Oito dias depois, encontravam-se os discípulos novamente reunidos em casa, e Tomé estava com eles. Estando fechadas as portas, Jesus entrou, pôs-se no meio deles e disse: “A paz esteja convosco”.

27Depois disse a Tomé: “Põe o teu dedo aqui e olha as minhas mãos. Estende a tua mão e coloca-a no meu lado. E não sejas incrédulo, mas fiel”. 28Tomé respondeu: “Meu Senhor e meu Deus!” 29Jesus lhe disse: “Acreditaste, porque me viste? Bem-aventurados os que creram sem terem visto!”

30Jesus realizou muitos outros sinais diante dos discípulos, que não estão escritos neste livro. 31Mas estes foram escritos para que acrediteis que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e, para que, crendo, tenhais a vida em seu nome.

Deixe o seu comentário





[bws_google_captcha]

* campos obrigatórios.