Solenidade de Dedicação da Catedral Metropolitana de Campinas

qr1

CONFIRA MAIS SOBRE O TEMPO COMUM (CLIQUE AQUI)

CONFIRA NOSSO FOLHETO DE MÚSICAS PRÓPRIAS ÀS SOLENIDADES, FESTAS E MEMÓRIAS DO TEMPO COMUM (CLIQUE AQUI)

  • Solenidade, Cor Branca , Gl, Cr, Prefácio da Dedicação
  • Ofício Solene próprio
  • Tempo Comum
  • 1ª Leitura – (Ne. 8, 2 -4. 5 – 6. 8 – 10)
  • Salmo – 18
  • 2ª Leitura – (Ef. 2, 19 – 22)
  • Evangelho – (Jo 2,1-11)

INTROITOEu vi a cidade santa, a nova Jerusalém, descendo do céu, de junto de Deus, ornada como a noiva que se preparou para seu noivo (Ap 21, 2)

COMUNHÃOComo pedras vivas, formai um templo espiritual, um sacerdócio santo (1 Pd 2,9)

AS MISSAS DA SOLENIDADE DA DEDICAÇÃO DA CATEDRAL DE CAMPINAS SERÃO CELEBRADAS NESTA QUINTA-FEIRA ÀS 7:00 E ÀS 19:30, NA PARÓQUIA NOSSA SENHORA AUXILIADORA.

——————————————————————————————————————————————

Celebramos no dia 27 de Outubro a Solenidade de dedicação da Catedral Metropolitana de Campinas. Igreja de importância extrema para nossa cidade, cujo templo é dedicado à Nossa Senhora, Mãe de Jesus!

Para uma igreja, uma comunidade, ou uma Diocese, o dia mais importante é a solenidade de sua padroeira e a segunda data mais importante, sempre comemorada como solenidade, é o dia da dedicação deste templo, momento em que o altar é sagrado pelo bispo local e o templo é dedicado a Deus, em nome de uma devoção.

Nossa diocese comemora a padroeira no dia 8 de Dezembro, em pleno Advento, como preparação para o Natal. Celebrar esta dedicação fortalece nossos laços como comunidade e como igreja local (diocese).

Para esta celebração, contaremos com a presença do Coro Paroquial – Vozes de Dom Bosco, que conduzirá os cânticos solenes desta importante celebração. Confira a lista dos cânticos.

Povo Eleito (L. Deiss)

Kyrie VIII (Gradual Romano)

Glória de Lourdes (J.P. Lecót)

Bendito Seja Deus Pai

Santo de Lourdes (J.P. Lecót)

Cordeiro (D. Bruno)

Nós Somos as Pedras Vivas

Imaculada

Por Thiago – Cantinho da Liturgia

A Catedral

FotoA história da Catedral Metropolitana, em essência, reflete a trajetória da consolidação do município de Campinas, nascida de uma antiga parada de bandeirantes no caminho dos Goiazes, rota que conduzia ao sertão de Goiás. A religiosidade católica dos primeiros habitantes da região motivou o governo diocesano de São Paulo iniciar o atendimento pastoral. A 14 de julho de 1774 com a celebração da 1ª missa foi criada a Freguesia de Nossa Senhora da Conceição das Campinas de Mato Grosso. Tendo como matriz uma pequena capela de sapé, é instalada a paróquia da Nossa Senhora da Conceição de Campinas que lá ficou até a conclusão da Matriz Velha em 1781.

A paróquia teve novo endereço, a igreja do Rosário, até o término da obras da Matriz Nova em 08 de dezembro de 1883, quando foi definitivamente transferida para o novo templo construído especialmente para abrigá-la, hoje a Catedral Metropolitana de Campinas.

Sua Matriz assistiu a implantação da Diocese em 1908, da Arquidiocese em 1958, tem em sua Cripta sepultados os seis bispos que atuaram na diocese de Campinas e acolhe hoje mais de 3.000 fiéis que se dirigem a ela diariamente.

Além das três missas diárias, a paróquia possui as seguintes pastorais: batismo, catequese, adolescentes, juventude, litúrgica, saúde, exéquias, dízimo e noivos. Três entidades voltadas para a promoção social: Vicentinos (três conferências), Associação do Pão dos Pobres de Santo Antônio e Casa Maria de Nazaré(com cinco unidades). Atividades do Grupo de Oração, Grupo da Terceira Idade e Escuta Cristã. A Irmandade do Santíssimo Sacramento, três corais: Sé, Pie Pellicane e Nossa Senhora Aparecida, além do Museu de Arte Sacra da Arquidiocese de Campinas e o Museu da Irmandade do Santíssimo Sacramento sendo todas as atividades seguindo a proposta do Sexto Plano de Pastoral Orgânica da Arquidiocese de Campinas.

 

Liturgia da Palavra

1ª Leitura: Ne. 8, 2 -4. 5 – 6. 8 – 10

Leitura do livro de Neemias.
8 2 O sacerdote Esdras trouxe a lei diante da assembléia de homens, mulheres e de todas (as crianças) que fossem capazes de compreender. Era o primeiro dia do sétimo mês.
3 Esdras fez então a leitura da lei, na praça que ficava diante da porta da Água, desde a manhã até o meio-dia, na presença dos homens, mulheres e das (crianças) capazes de compreender; todos escutavam atentamente a leitura.
4 O escriba Esdras postou-se num estrado de madeira que haviam construído para a ocasião; a seu lado encontravam-se, à direita, Matatias, Semeías, Anias, Urias, Helcias e Maasias; à esquerda, Fadaías, Misael, Melquias, Hasum, Hasbadana, Zacarias e Mosolão.
5 Esdras abriu o livro à vista do povo todo; ele estava, com efeito, elevado acima da multidão. Quando o escriba abriu o livro, todo o povo levantou-se.
6 Esdras bendisse o Senhor, o grande Deus; ao que todo o povo respondeu, levantando as mãos: “Amém! Amém!” Depois inclinaram-se e prostraram-se diante do Senhor com a face por terra.
8 Liam distintamente no livro da lei de Deus, e explicavam o sentido, de maneira que se pudesse compreender a leitura.
9 Depois Neemias, o governador, Esdras, sacerdote e escriba, e os levitas que instruíam o povo, disseram a toda a multidão:” Este é um dia de festa consagrado ao Senhor, nosso Deus; não haja nem aflição, nem lágrimas”. Porque todos choravam ao ouvir as palavras da lei.
10 Neemias disse-lhes: “Ide para as vossas casas, fazei um bom jantar, tomai bebidas doces, e reparti com aqueles que nada têm pronto; porque este dia é um dia de festa consagrado ao nosso Senhor; não haja tristeza, porque a alegria do Senhor será a vossa força”.
Palavra do Senhor.

Responsório

R: Seu som ressoa e se espalha em toda a terra.

1. Os céu proclamam a glória do Senhor, e o firmamento, a obra de suas mãos; o dia ao dia transmite esta mensagem, *a noite à noite publica esta notícia.

2. Não são discursos nem frases ou palavras, Nem são vozes que possam ser ouvidas; seu som ressoa e se espalha em toda terra, chegua aos confins do universo a sua voz.

 

Segunda Leitura: Ef. 2, 19 – 22

Leitura da Carta de São Paulo aos Efésios.

Irmãos, 19já não sois mais estrangeiros nem migrantes, mas concidadãos dos santos. Sois da família de Deus. 20Vós fostes integrados no edifício que tem como fundamento os apóstolos e os profetas, e o próprio Jesus Cristo como pedra principal. 21É nele que toda a construção se ajusta e se eleva para formar um templo Santo no Senhor. 22E vós também sois integrados nesta construção, para vos tornardes morada de Deus pelo Espírito.

Palavra do Senhor.

Graças a Deus

 

Evangelho

R: Aleluia, aleluia, aleluia.

V:. Na minha casa, quem pede, recebe, e todo o que busca, encontra e a quem bate, abri-se-lhe-á. (Mt 7,8) 

Estava próxima a Páscoa dos judeus e Jesus subiu a Jerusalém. 14No Templo, encontrou os vendedores de bois, ovelhas e pombas e os cambistas que estavam aí sentados. 15Fez então um chicote de cordas e expulsou todos do Templo, junto com as ovelhas e os bois; espalhou as moedas e derrubou as mesas dos cambistas. 16E disse aos que vendiam pombas: ‘Tirai isto daqui! Não façais da casa de meu Pai uma casa de comércio!’ 17Seus discípulos lembraram-se, mais tarde, que a Escritura diz: ‘O zelo por tua casa me consumirá’. 18Então os judeus perguntaram a Jesus: ‘Que sinal nos mostras para agir assim?’ 19Ele respondeu: ‘Destruí, este Templo, e em três dias o levantarei.’
20Os judeus disseram: ‘Quarenta e seis anos foram precisos para a construção deste santuário e tu o levantarás em três dias?’ 21Mas Jesus estava falando do Templo do seu corpo. 22Quando Jesus ressuscitou, os discípulos lembraram-se do que ele tinha dito e acreditaram na Escritura e na palavra dele. 

Palavra Salvação.

Glória a vós, Senhor.