Mensagem do Pároco › 23/03/2016

Páscoa, Passagem de Deus Navida do Homem e Entrada do Homem na Vida de Deus

palavra paroco

A Fé Como Acesso a Uma Vida Nova e ao Ressuscitar Cada Dia

O Acontecimento novo para a humanidade, que foi a vida de Jesus Cristo, O Filho de Deus feito homem, trouxe à luz a verdade do homem e muitas das suas contradições. Jesus revela o pecado do homem como um médico que confidencia ao paciente a sua doença, o seu câncer.

É duro ter que encarar uma realidade assim! Mas, sempre é melhor reconhecer um mal que não querer vê-lo, pois a partir daí, se abrem possibilidades de reverter um prejuízo, conter um mal e restabelecer a saúde e o bem.

Jesus vem ao mundo como o “Cordeiro que tira os pecados do mundo”, como o “Médico divino que cura as nossas dores”, o “Homem forte que vence o mal e protege todos os de sua casa”. Jesus é o portador de um “perdão e de uma graça que justifica o pecador e lhe devolve a dignidade de um filho querido”. Jesus é o “Sim de Deus para todos os apelos de salvação que a humanidade de todos os tempos, em todas as crenças, dirigiu às suas divindades. Jesus é “Rosto  do Verdadeiro  Deus, o Pai, bondoso, clemente e misericordioso”.

Na revelação da Misericórdia está a oferta de uma Salvação, de uma Graça, de uma VIDA NOVA, para todos os homens.  A Misericórdia é primeiramente Luz que revela ao homem o seu pecado e o convence de ser pecador.

Ser pecador, à luz dessa Misericórdia, é já reconhecer-se  “alcançado por Jesus” e já introduzido na “Obra de Sua Graça”, remédio que cura e restabelece a saúde e propõe a “Conversão”, um tratamento, uma disciplina de vida e costumes, um caminho e novo modo de ser, nova mentalidade e um viver segundo uma nova natureza e dignidade que é “Ser Filho e Filha de Deus”, cujo modelo e projeto realizado é o próprio Jesus.

Jesus veio ao mundo com a Missão que lhe deu o próprio Deus e Pai: “Ressuscitar no último dia todo aquele que nEle crer, ainda que tiver morrido. Quem nEle crer não morrerá eternamente”.

Jesus é a “PÁSCOA-PASSAGEM DE DEUS NA VIDA DO HOMEM – ENCONTRO COM CADA UM E TODA A HUMANIDADE, FAZENDO NOVAS TODAS AS COISAS”.

Ter Fé é o nome dado à nossa resposta, nossa adesão, o nosso abrir o coração, o nosso acreditar e deixar-se perdoar, curar, salvar, santificar e fazer-se novo. É deixar Deus ser Deus e colaborar com Ele numa “Parceria” que se chama “Ser colaborador na Obra de Salvação de Deus, na Construção do seu Reino”.

Jesus, é “O Caminho, A Verdade e A Vida”.  Não existe outro, nem atalhos ou caminhos paralelos. É a “Rocha”, o “Alicerce” seguro. É o “Salvador e Redentor” de toda a humanidade.

Foi nascendo como nós, em Belém da Judéia, crescendo em Nazaré da galileia, anunciando o seu Evangelho aos pequenos e pobres, aos humildes e esquecidos do seu e de todos os tempos, fazendo o bem à todos, morrendo numa cruz, reconciliando com Deus e consigo mesmo os pecadores, que viveu a “Misericórdia do Pai” e anunciou ao mundo a “Felicidade dos pobres, dos pacíficos, dos misericordiosos”, de todos aqueles que vivem segundo o seu Evangelho, o seu modo de viver.

Foi, assim, que Jesus viu a sua vida coroada de êxito e de glórias e seu “NOME FOI EXALTADO SOBRE TODO NOME E SEU PODER SOBRE TODO PODER NO CÉU E NA TERRA”.

Jesus é AMOR, o Amor de Deus, que veio habitar e permanecer em nosso coração, em nossas veias, em nosso sangue, em todo o nosso ser. Um Amor diferente, no qual é preciso ter Fé para experimentá-Lo e sentí-Lo como Presença amorosa e revitalizadora. Trata-se da Vida que vence a morte, do Amor  que vence o ódio, da Paz que convive com toda forma de sofrimento.

Neste existir em que a herança de um pecado original que torna todos nós pecadores e sofredores de todas as consequências do pecado e da fatalidade da morte, num mundo em que o mal sofrido por nós, não é sinal de que “Deus não existe ou que fomos expulsos do Paraíso”, mas que “expulsamos Deus de nossas vidas”, é preciso nos voltarmos a Ele, nos  ligarmos a Ele, nos mergulharmos nEle.

Jesus levantado na cruz uniu os céus e a terra, Deus e os homens e os homens entre si. Plantou no mundo o divino e regou com o seu sangue a terra dos pecadores e alcançou o mais profundo da miséria humana e nada, nada escapou de sua obra redentora. Com seus braços abertos e estendidos à toda direção abraçou e uniu na sua fraternidade todos os povos e indivíduos, de todos os tempos e lugares, e fez de todos um só, superando toda divisão e rivalidade.

Jesus nos ofereceu para sempre o próprio Deus e sua Paz, Paz que nos trás todos os bens no tempo e na eternidade e se fez o Deus Conosco e Um de nós na sua Ressurreição. Com a sua ressurreição nos deu de seu Espírito Santo, artista divino da nova criação e gerador dos filhos e filhas de Deus, nascidos do Batismo, da nova Árvore da Vida, a Videira que é Cristo ressuscitado, no qual nós ramos pecadores fomos enxertados, para dar frutos de Vida Nova.

Jesus veio para anunciar o Reino de Deus e proclamar os direitos de Deus e restaurar a justiça de Deus num mundo novo reconstruído segundo a sua vontade.

Existe por trás de tudo o que existe uma “Vontade de Deus”. Vontade criadora, vontade que dá sentido e significado à todas as coisas e acontecimentos, que passam a existir como Deus deseja ou descide que seja.

Nós homens, somos passíveis de sentir o que os acontecimentos, as coisas e nosso existir oferecem. Não temos o poder de mudar as consequências das coisas ou a direção para onde nos levam. Uma dor é sentida como sofrimento, uma doença como um mal que oprime, a morte como uma fatalidade que nos aniquila. Mas, Deus não é assim! Deus tem em suas mãos a vida e a morte, o bem e o mal, a luz e as trevas. E tudo isso em Cristo foi redimido na sua cruz. Tudo foi plenificado num Amor Infinito de Deus pela humanidade.

Em Jesus, crucificado e ressuscitado, o Amor venceu o ódio, a Luz venceu as trevas, a Vida venceu a morte,  a Graça venceu o pecado, a Eternidade abraçou o tempo, Deus e o Homem em Comunhão transpôs toda distância e espaço, a Plenitude preencheu a finitude e todas as contradições foram superadas.

Jesus salvou o mundo pelo sofrimento e entregando sua vida na cruz é que venceu o pecado e a morte. O que naturalmente seria um mal e fruto do egoísmo, a rejeição dos homens e a condenação à cruz, a derrota aparente de Jesus, tudo realizado com amor, fez redimir o mal e o bem vencer. Foi vontade do Pai, salvar o mundo pelo sacrifício de seu próprio Filho e através de sua humilhação e morte dar-nos a vida. Com Jesus o desamor, o mal e o sofrimento tornaram-se capazes de gerar o bem. O caminho da vida de todo homem, pela fé em Jesus cristo, tornou-se caminho de salvação. Depois de Jesus, o morrer é viver, é morrendo que se entra na vida. Tudo o que passamos se torna semente de Vida Nova, semente de eternidade. Se continuamos a sofrer e morrer após o acontecimento da ressurreição de Cristo é porque algo mudou em nossa vida e onde o pecado deixou a sua marca de morte, a graça e a salvação se impôs como vida e vida divina que não se sujeita à lei do pecado.

Na fé em Jesus é dado ao homem a graça, o amor e a força que dá sentido à tudo. E Deus que na entrega de seu Filho, salvou o mundo pelo sofrimento e pela sua derrota aos olhos dos homens o fez vitorioso, e ao perder foi vencedor, propõe a todo homem e mulher viver segundo a fé, segundo a decisão e vontade de Deus que assume a condição pecadora e frágil do homem e a torna semente de Vida Eterna. Onde abundou o pecado superabundou a graça. É Deus quem salva pela sua graça e misericórdia e tira o bem e a vida donde vemos apenas o mal e a morte. Assumindo com fé as nossas dores e solidários com os nossos irmãos em suas necessidades nos identificamos com Jesus em sua condição humana e com Ele ressuscitamos para a Vida Nova. É a PÁSCOA de Jesus e nossa Páscoa também. Uma vez ressuscitado para sempre Ele continua a ressuscitar no Povo que lhe pertence. Sua glória é a ressurreição de todo homem.

Padre Ademar Pereira de Souza