Mensagem do Pároco › 12/04/2017

Palavra do Pároco: Uma mensagem de Páscoa

“BENDITO O QUE VEM EM NOME DO SENHOR” (Mt 21,9)

Estamos em tempo de Páscoa, em tempo de passagem, no sentido etimológico, desta palavra hebraica.

No contexto das narrações bíblicas, a Páscoa, esteve presente em vários acontecimentos, onde se experimentou a passagem , de algo ruim para algo bom, do mal para o bem, da morte para a vida.

Esteve sempre presente fatores, acontecimentos, experiências pessoais, de grupos ou de todo um povo, que pode viver um processo libertador, uma experiência de libertação, que marcou e atualizou através dos tempos, pela memória do passado ou outros acontecimentos novos, este sentido libertador da história, do passar do tempo, do viver a vida, assim como ela acontece e se renova constantemente.

Se há uma passagem, uma libertação, uma passagem libertadora, temos que refleti-la e veremos que há fatores, há razões de causa e efeito, que provocam mudanças e mudanças não superficiais, mas mudanças profundas, que realmente mudam, transformando a direção das coisas, dos acontecimentos, transformando, na essência, o sentido da vida e dos acontecimentos, acrescentando o novo a todo ser, o que é sempre, mais belo e bom.

Páscoa é, exatamente, esta mudança! Mudança profunda, existencial, vital, que abre-se para o novo, renova as esperanças, amplia os horizontes, dá para toda a vida um anseio de plenitude, soma o tempo à eternidade, supera os espaços e aproxima-nos do todo, harmoniza os contrários, penetra o mistério e se apropria do divino.

Nas histórias bíblicas, ligadas ao cotidiano, à rotina do dia a dia do Povo de Deus da Antiga Aliança, à realidade nua e crua da vida de cada pessoa humana, homem e mulher, a Páscoa ou passagem, conduziu ao conhecimento de um Deus presente e condutor de todos os acontecimentos, uma presença divina, como causa primeira de todos os efeitos, origem do processo libertador e do novo.

E souberam ver, constatar, experimentar que é Deus o autor da Páscoa, o realizador do novo, o único que esteve por trás das mudanças profundas que dão para a vida novo sentido, nova direção, novo valor que ultrapassa o passageiro, que abre-se ao infinito e aos bens duradouros.

Hoje, para nós, seguidores de Jesus cristo, morto e ressuscitado, a Páscoa se identifica à sua pessoa e missão, à vida tal qual Ele a viveu, e que aderindo-se à vida de cada homem e mulher, faz do nascer, crescer, amadurecer, envelhecer e morrer de cada ser humano, um caminho para o novo, para a ressurreição e vida nova, em novos céus e nova terra de uma vida sem males e plenificada e completada no divino.

Queremos reconhecer que Jesus Cristo, o Filho de Deus feito homem, que tendo passado pela vida fazendo o bem e amado de uma maneira sem igual os pobres e simples, os pecadores e excluídos da humanidade, incompreendido, rejeitado, condenado à morte, crucificado e morto, enterrado e ressuscitado por Deus ao terceiro dia, é o único que foi capaz de realmente “FAZER NOVAS TODAS AS COISAS”.

Jesus Cristo, deu início a uma passagem, a uma mudança, que venceu o abismo do ódio, da vingança, do desamor, que separou os homens de outros homens na prática da violência, do olho por olho e dente por dente, da opressão e dominação de uns sobre os outros, da guerra, da escravidão e da fome, que mata e extermina. Abriu o caminho do perdão que reconcilia e constrói um caminho de união e amizade entre corações escravos da inimizade. Abriu os túmulos onde jazia o amor reprimido por tanto ódio e libertou o Amor, devolvendo às pessoas, a comunhão verdadeira, a fraternidade e solidariedade, sinais de um mundo novo de justiça e paz. Abriu novos horizontes de luz, onde a sombra da morte cedeu às luzes de uma nova vida, construindo uma ponte e passagem entre a terra e o céu, o tempo e a eternidade. Nesta grande passagem e ação libertadora, restabeleceu a comunhão, a grande harmonia entre o divino e o humano, o humano entre si, o homem consigo mesmo e a natureza, tudo, enfim, integrado e harmonizado no seu corpo ressuscitado.

Hoje, ao contemplarmos o mundo e a história, ao acompanharmos as notícias, que vão somando acontecimentos do cotidiano, envolvendo a vida comum de tantas pessoas, a inquietude dos governantes das nações e de impérios que apenas mudaram de nome, a crise econômica e política, a competição de mercado, a guerra fria, a obra da guerra mantida pela ânsia de domínio e de poder, por aqueles que querem a paz feita de sangue e de morte, sabemos o quanto precisamos de Jesus Cristo e da sua PAZ. Paz que o mundo não dá, não tem como dar, porque não a possue e não a pode construir, uma vez que as raízes do mal, a que chamamos pecado, que está nos corações, provém de um passado que antecedeu ao homem e só Deus pode controlá-lo e dominá-lo. Só Deus em sua passagem pelo coração de cada homem, pode torná-lo novo.

A Páscoa é esta passagem de Deus na vida do mundo, na vida de cada um de nós. Ela é ESPERANÇA. Ela é LUZ. Ela é PERDÃO. Ela é PAZ. Ela é ALEGRIA. Ela é VIDA. Ela é AMOR!

A Páscoa de Jesus Cristo, morto e ressuscitado, vem operando a ressurreição de todos os homens.

Tendo nas suas mão a vida e a morte, o ontem e o hoje, o princípio e fim de todas as coisas, realizador dos planos e da vontade de Deus, Pai e Criador, envolve tudo com o seu Espírito Santo, embaixador divino, renovador e santificador de todas as coisas e do coração do homem.

Páscoa é obra de Deus mesmo. É o mesmo Deus em tudo e todas as coisas. Obra criada e renovada no tempo e na eternidade!

Por isso, ao iniciarmos a caminhada destes dias de semana santa, com alegria e fé proclamamos:

“BENDITO O QUE VEM EM NOME DO SENHOR”!

VEM SENHOR, VEM COM A SUA PÁSCOA, VEM COM TEU ESPÍRITO, RENOVAR TODAS AS COISAS!

“A glória de Deus é o homem vivo” (Santo Irineu) – “A Alegria de Deus, o Pai, é dar-nos a vida”!

FELIZ PÁSCOA!