Festa da Apresentação do Senhor

CONFIRA NOSSO FOLHETO DE MÚSICAS PRÓPRIAS ÀS SOLENIDADES, FESTAS E MEMÓRIAS DO TEMPO COMUM (CLIQUE AQUI)

  • Festivo (ou Solene – dependendo do lugar), Cor Branca, Benção das Velas, Gl, Cr, Prefácio da Apresentação
  • Ofício festivo (ou solene)
  • Tempo Comum
  • 1ª Leitura – (Ml 3,1-4)
  • Responsório – Salmo 23
  • 2ª Leitura – (Hb 2,14-18)
  • Evangelho –(Lc 2,22-40)

As leituras da missa encontram-se ao final deste post.

BENÇÃO DAS VELAS: Eis que virá o Senhor onipotente iluminar os nossos olhos, aleluia!

Oração: Ó Deus, luz verdadeira, fonte e princípio da luz eterna, fazei brilhar no coração de vossos fieis a luz que não se extingue, para que, iluminados por estas velas no vosso templo santo, cheguemos ao esplendor da vossa glória. Por Cristo, nosso Senhor.

PROCISSÃO: Uma luz brilhará para os gentios e para a glória de Israel, o vosso povo.
1. Deixai, agora, vosso servo ir em paz, conforme prometestes, ó Senhor.
2. Pois meus olhos viram vossa salvação. Que preparastes ante a face das nações.

INTROITO: Recebemos, ó Deus, a vossa misericórdia no meio de vosso templo. Vosso louvor se estende, como o vosso nome, até os confins da terra; toda a justiça se encontra em vossas mãos, aleluia! (Sl 47,10s).

Oração: Deus eterno e todo-poderoso, ouvi as nossas súplicas. Assim como o vosso Filho único, revestido da nossa humanidade, foi hoje apresentado no templo, fazei que nos apresentemos diante de vós com os corações purificados. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

COMUNHÃOMeus olhos viram o Salvador, que preparastes, ó Deus, para todos os povo (Lc 2,30s).

CELEBRAMOS ESTE MOMENTO SOLENE DA APRESENTAÇÃO DE JESUS, NESTA QUINTA-FEIRA, 2/02, ÁS 7:00 E 19:30, NA PARÓQUIA NOSSA SENHORA AUXILIADORA.


 

Das rubricas, a Apresentação do Senhor é uma festa litúrgica de primeira importância. Mesmo que ocorra em um domingo do Tempo Comum, esta festa sempre substituirá a liturgia do dia. Conforme necessidade paroquial, é possível fazer destra ocasião uma solenidade, realizando as leituras todas indicadas no Lecionário. Este é o caso de nossa paróquia. Também é feita a benção das velas, antes do início da missa, imitando o lucernário do Natal e da Vigília Pascal.

São previstas duas leituras, sendo que é opcional fazer as duas, quando a festa não ocorre em um domingo. O Hino de Louvor deve ser cantado solenemente sempre e o Creio, juntamente do Prefácio Eucarístico da Apresentação, é rezado sempre.

A cor litúrgica é a branca, mas pode-se utilizar a cor dourada, em honra a esta ocasião de extrema importância teológica à fé cristã.

—————————————————————————————————————————————–

Apresentação do Senhor

Este momento é celebrado 40 dias após o NATAL DO SENHOR. Embora estejamos no Tempo Comum (desde o dia 11/01), esta é a primeira liturgia celebrada que está relacionada ao mistério da Encarnação, Nascimento e Manifestação de Jesus, porém fora do Ciclo do Natal.

O costume do povo judeu era realizar a apresentação do primogênito no templo de Deus, como forma de trazer bençãos celestes àquela família. Por isso, os pais ofereciam algum tipo de sacrifício ritual, imitando o episódio vivido por Isaac e Abraão, em que ele oferece uma vítima em lugar de seu próprio filho.

Cristo, o sacerdote da Nova Aliança, é centro deste mistério e deve ser oferecido a Deus, conforme a lei mosaica. Porém, acima de tudo, o Deus Filho é oferecido ao Deus Pai como cordeiro de expiação dos pecados da humanidade, algo que será concretizado no momento de sua Paixão. Esta é a grande revolução que Deus promove: enquanto Jesus é humano, é apresentado como toda criança primogênita. Por ser Deus e Redentor, sua apresentação possui uma característica a mais.

Este gesto é o mesmo que realizamos a cada celebração eucarística, ao fazermos o ofertório, antes da Oração Eucarística. Estamos oferecendo Cristo a Deus, constantemente, a fim de que sejamos salvos por suas promessas. Somos como Simeão, no Evangelho de hoje.

O Mistério da Encarnação de Jesus faz parte do mistério pascal, sendo um de seus pilares, juntamente da Páscoa, o mistério da Ressurreição. Por isso, esta festa é de grande importância litúrgica e teológica para nós.

Por Thiago – Cantinho da Liturgia -Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora

—————————————————————————————————————————————–

1ª Leitura

Leitura da Profecia de Malaquias.

Assim diz o Senhor: 1Eis que envio meu anjo, e ele há de preparar o caminho para mim; logo chegará ao seu templo o Dominador, que tentais encontrar, e o anjo da aliança, que desejais. Ei-lo que vem, diz o Senhor dos exércitos; 2e quem poderá fazer-lhe frente, no dia de sua chegada? E quem poderá resistir-lhe, quando ele aparecer?

Ele é como o fogo da forja e como a barrela dos lavadeiros; 3e estará a postos, como para fazer derreter e purificar a prata: assim ele purificará os filhos de Levi e os refinará como ouro e como prata, e eles poderão assim fazer oferendas justas ao Senhor. 4Será então aceitável ao Senhor a oblação de Judá e de Jerusalém, como nos primeiros tempos e nos anos antigos.

Palavra do Senhor.
Graças a Deus!

Responsório

O Rei da glória é o Senhor onipotente!

O Rei da glória é o Senhor onipotente!

— “Ó portas, levantai vossos frontões! Elevai-vos bem mais alto, antigas portas, a fim de que o Rei da glória possa entrar!”

Dizei-nos: “Quem é este Rei da glória?”. “É o Senhor, o valoroso, o onipotente, o Senhor, o poderoso nas batalhas!”

— “Ó portas, levantai vossos frontões! Elevai-vos bem mais alto, antigas portas, a fim de que o Rei da glória possa entrar!”

Dizei-nos: “Quem é este Rei da glória?”. “O Rei da glória é o Senhor onipotente, o Rei da glória é o Senhor Deus do universo.”

Segunda Leitura

Leitura da Carta aos Hebreus.

Irmãos: 14visto que os filhos têm em comum a carne e o sangue, também Jesus participou da mesma condição, para assim destruir, com a sua morte, aquele que tinha o poder da morte, isto é, o diabo, 15e libertar os que, por medo da morte, estavam a vida toda sujeitos à escravidão. 16Pois, afinal, não veio ocupar-se com os anjos, mas com a descendência de Abraão. 17Por isso devia fazer-se em tudo semelhante aos irmãos, para se tornar um sumo-sacerdote misericordioso e digno de confiança nas coisas referentes a Deus, a fim de expiar os pecados do povo. 18Pois, tendo ele próprio sofrido ao ser tentado, é capaz de socorrer os que agora sofrem a tentação.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

Evangelho

R: Aleluia! Aleluia! Aleluia!

V:. Sois a luz que brilhará para os gentios e para a glória de Israel, o vosso povo (Lc 2,32).

O Senhor esteja convosco!

Ele está no meio de nós.

PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.

Glória a vós, Senhor!

 

22Quando se completaram os dias para a purificação da mãe e do filho, conforme a lei de Moisés, Maria e José levaram Jesus a Jerusalém, a fim de apresentá-lo ao Senhor. 23Conforme está escrito na lei do Senhor: “Todo primogênito do sexo masculino deve ser consagrado ao Senhor”.

24Foram também oferecer o sacrifício um par de rolas ou dois pombinhos como está ordenado na Lei do Senhor. 25Em Jerusalém, havia um homem chamado Simeão, o qual era justo e piedoso, e esperava a consolação do povo de Israel. O Espírito Santo estava com ele 26e lhe havia anunciado que não morreria antes de ver o Messias que vem do Senhor.

27Movido pelo Espírito, Simeão veio ao Templo. Quando os pais trouxeram o menino Jesus para cumprir o que a Lei ordenava, 28Simeão tomou o menino nos braços e bendisse a Deus: 29“Agora, Senhor, conforme a tua promessa, podes deixar teu servo partir em paz; 30porque meus olhos viram a tua salvação, 31que preparaste diante de todos os povos: 32luz para iluminar as nações e glória do teu povo Israel”.

33O pai e a mãe de Jesus estavam admirados com o que diziam a respeito dele. 34Simeão os abençoou e disse a Maria, a mãe de Jesus: “Este menino vai ser causa tanto de queda como de reerguimento para muitos em Israel. Ele será um sinal de contradição. 35Assim serão revelados os pensamentos de muitos corações. Quanto a ti, uma espada te traspassará a alma”. 36Havia também uma profetisa, chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser. Era de idade muito avançada; quando jovem, tinha sido casada e vivera sete anos com o marido. 37Depois ficara viúva, e agora já estava com oitenta e quatro anos. Não saía do Templo, dia e noite servindo a Deus com jejuns e orações. 38Ana chegou nesse momento e pôs-se a louvar a Deus e a falar do menino a todos os que esperavam a libertação de Jerusalém. 39Depois de cumprirem tudo, conforme a Lei do Senhor, voltaram à Galileia, para Nazaré, sua cidade. 40O menino crescia e tornava-se forte, cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava com ele.

Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor!