Espaço valdocco › 20/11/2015

Espaço Valdocco 68 – O crescimento do Oratório com a montagem de diversas oficinas

No início a casa do Oratório acolhe, de preferência, jovens trabalhadores. São dezenas e dezenas que chegam todos os anos. Alguns permanecem por 3 anos, outros por 2 meses, outros ainda por toda a vida.

A preferência dada a jovens operários é motivada por sua mísera condição. Os editos reais de 1844 abandonaram, na prática, o direito dos operários, de modo que estes ficaram indefesos nas mãos dos patrões. Dom Bosco, através de contratos de aprendizagem que são assinados pelos jovens, pelos patrões e por ele próprio, confia seus meninos trabalhadores a patrões. E mais, vai visitá-los nas oficinas todas as semanas, na qualidade de “fiador perante a família”. Se o patrão não respeita o pacto, retira o jovem aprendiz do emprego.

Em 1853 Dom Bosco termina a construção de um novo edifício. Com isso, decide iniciar, em sua própria casa, as primeiras oficinas de sapateiro, alfaiate, dentre outras. Dois são os motivos: o mau costume e a falta de religião que os rapazes deparam entre os operários adultos das tabernas e oficinas da região, e o auxílio que as oficinas internas de sapateiros, alfaiates e tipógrafos poderão proporcionar ao oratório.

A oficina de sapateiro foi localizada em ambiente estreitíssimo em que funcionava uma mini-sacristia da capela Pinardi. Dom Bosco foi o primeiro mestre, ensinando 4 meninos a martelar uma sola de sapato.

A oficina de alfaiate foi alojada na cozinha. Os primeiros mestres foram mamãe Margarida e Dom Bosco.

A 3ª oficina inaugurada foi a de encadernação de livros, pois Dom Bosco precisava encardenar algumas folhas impressas de um dos seus libretos, Os Anjos da Guarda. Tudo foi feito com a ajuda dele, de mamãe Margarida e dos meninos.

Em 1856 foi montada a 4ª oficina: a marcenaria. Com ela um grande número de rapazes foi retirado das oficinas da cidade e instalados em vasta sala mobiliada de bancas, ferramentas do ofício, armazém de madeira.

Em 1861 abriu-se a 5ª oficina: a tipografia.  Com o tempo aquela tipografia se agigantou, tornando-se moderna, a ponto de competir com outras da cidade.

Por fim, em 1862 Dom Bosco abriu a 6ª e última oficina, a serralheria, que deu origem às oficinas de mecânica existentes até hoje em diversas obras salesianas.

ADAPTAÇÃO E LOCUÇÃO: Domingos Sávio